Exposição

"Olhares Poéticos"

Exposição

"Olhares
Poéticos"

Exposição

"Olhares Poéticos"

Projeto realizado com o prêmio da Lei Aldir Blanc, incentivo a Cultura, no Município de Itapecerica da Serra – SP.  Apoio: Projeto Cor-Ação e Ateliê Casa das Artes.

Projeto Realizado

prêmio da Lei Aldir Blanc, incentivo a Cultura, no Município de Itapecerica da Serra - SP.     Apoio: Projeto Cor-Ação e Ateliê Casa das Artes.

Palavras da Proponente Edna Alves

O sentimento de  ser contemplada com este prêmio da Lei Aldir Blanc  me causou um turbilhão de emoções, através dele consegui valorizar mais de 20 artistas brilhantes, muitos deles  precisando de uma oportunidade para mostrar a beleza de seus fazeres artísticos.

Agradeço a Deus por este privilégio e  parabenizo todos os participantes.  Gratidão especial para minha produtora Rosângela Politano  que me ajudou a desenhar o projeto, fez a curadoria das exposições dedicando muita cor,  amor,  ação e profissionalismo, ao  COMTURIS  ( Conselho Municipal de turismo de Itapecerica da Serra) , e a Prefeitura Municipal de Itapecerica da Serra através da sua Secretária de Cultura.

Edna Alves e natural de Itapetinga (Ba) e residente em Itapecerica da Serra (SP) à 25anos. 

Artista Plástica autodidata com estética Naif tem em seus temas preferidos o quotidiano das pessoas, suas lembranças e visão religiosa. Fascinada pelo desenho trocou sua primeira boneca por lápis de cor.

Depois de uma longa caminhada e muita dedicação, Edna tem seu trabalho reconhecido participando de exposições nacionais e internacionais.


Premiada pela lei Aldir Blanc de incentivo a cultura no Município de Itapecerica da Serra (SP) a artista apresenta cinco exposições virtuais “ Edna Alves e Amigos Naifs” onde suas pinturas vão ser abrilhantadas por obras de artistas convidados. Trazendo para a apreciação de todos, trabalhos carregados de belezas, história e emoção.  

Olhares Poéticos por Oscar D'Ambrosio

Como funciona a arte? Existem muitas teorias e felizmente nenhuma conclusão. Um deles aponta que o criador visual expressa a sua relação com o mundo de três principais maneiras: busca imitar aquilo que vê; procura criar uma realidade melhor do a que vivência,  estabelecendo um mundo imaginário no futuro ou retomando temas de uma infância feliz; ou apresenta uma visão pessimista e caótica do que contempla, sem perspectivas de um futuro melhor.
Seja qual for a vertente escolhida, ou mesmo na mescla entre elas, o artista se coloca como um intérprete do mundo. Temos aí um segundo ponto de reflexão. O criador visual pode estar satisfeito com aquilo que faz ou viver em permanente estado de insatisfação com a sua própria expressão visual, o que o leva a paralisar as atividades ou a permanecer eternamente tentando.

Os olhares poéticos da presente exposição caminham, portanto, em diversas direções que se complementam. Edi Politano desenvolve a sua poética visual em um mergulho de cenas permeadas pelo seu mundo das cores; Janete Rodrigues trabalha com visões do cotidiano plenas de lirismo; Lu Morgado coloca em suas criações a intensidade de suas criações oníricas; Rosângela Politano dá à espiritualidade diversas conotações e simbologias plásticas;
e Sidney Nofal trabalha com cenas em que o coletivo tem um papel preponderante. Dessa maneira, ao desenvolver a sua poética visual, com suas características próprias, cada artista traz a sua contribuição para o mundo das artes. Expõe, pelo seu trabalho, uma visão de mundo, em que não há melhores ou piores abordagens criativas, mas sim diferentes processos e resoluções visuais, de modo que cada um constitui a sua identidade visual.
Conhecê-las é uma forma de permanente enriquecimento.
Oscar D'Ambrosio é Pós-Doutor e Doutor em Educação, Arte e História da Cultura, Mestre em Artes Visuais, jornalista e crítico de arte.

Olhares Poéticos por Oscar D'Ambrosio

Como funciona a arte? Existem muitas teorias e felizmente nenhuma conclusão. Um deles aponta que o criador visual expressa a sua relação com o mundo de três principais maneiras: busca imitar aquilo que vê; procura criar uma realidade melhor do a que vivência,  estabelecendo um mundo imaginário no futuro ou retomando temas de uma infância feliz; ou apresenta uma visão pessimista e caótica do que contempla, sem perspectivas de um futuro melhor.
Seja qual for a vertente escolhida, ou mesmo na mescla entre elas, o artista se coloca como um intérprete do mundo. Temos aí um segundo ponto de reflexão. O criador visual pode estar satisfeito com aquilo que faz ou viver em permanente estado de insatisfação com a sua própria expressão visual, o que o leva a paralisar as atividades ou a permanecer eternamente tentando.

Os olhares poéticos da presente exposição caminham, portanto, em diversas direções que se complementam. Edi Politano desenvolve a sua poética visual em um mergulho de cenas permeadas pelo seu mundo das cores; Janete Rodrigues trabalha com visões do cotidiano plenas de lirismo; Lu Morgado coloca em suas criações a intensidade de suas criações oníricas; Rosângela Politano dá à espiritualidade diversas conotações e simbologias plásticas; e Sidney Nofal trabalha com cenas em que o coletivo tem um papel preponderante. Dessa maneira, ao desenvolver a sua poética visual, com suas características próprias, cada artista traz a sua contribuição para o mundo das artes. Expõe, pelo seu trabalho, uma visão de mundo, em que não há melhores ou piores abordagens criativas, mas sim diferentes processos e resoluções visuais, de modo que cada um constitui a sua identidade visual. Conhecê-las é uma forma de permanente enriquecimento.
Oscar D'Ambrosio é Pós-Doutor e Doutor em Educação, Arte e História da Cultura, Mestre em Artes Visuais, jornalista e crítico de arte.

Palavras da Produtora e Curadora Rosângela Politano

O olhar poético sobre as coisas é uma característica dos Naif, quem se apropria desta estética produzida por artistas autodidatas que buscam inspirações em seu quotidiano, mas também em temas contemporâneos e distantes de suas realidades, tendo um papel muito importante contribuindo com a história da humanidade, seja qual for o tema , promovendo um movimento que transforma e reinventa o mundo.

O caminho que percorri para realizar a curadoria destas exposições foi como mergulhar em poesia e caminhar entre tradições e encantos de um Brasil tão grande que às vezes perde-se de si mesmo. “ Olhares Poéticos” a exposição que aqui apresentamos Edna Alves convida cinco artistas, de mundos e olhares diferentes mas que apresentam obras com um dialogo poético, colorido e carregadas de sentimentos que integram perfeitamente o mesmo espaço.
Respeitando a individualidade e a qualidade das obras está exposição “ Olhares Poéticos” mostra um pouco da produção dos artistas que reverenciam a vida através da arte e entendem o privilégio de serem artistas e poder colorir o mundo com carinho ,poesia, cores vibrantes mas, com responsabilidade e conscientes do seu papel para a humanidade. 

Rosângela Politano é Empreendedora, Produtora Cultural, Pesquisadora da Cultura Popular tradicional, Diretora do Projeto Cor-Ação , Artista Plástica e uma das coordenadoras da BINAIF ( Bienal Internacional de Arte Naif Totem Cor-Ação).

Palavras da Produtora e Curadora Rosângela Politano

O olhar poético sobre as coisas é uma característica dos naif, quem se apropria desta estética produzida por artistas autodidatas que buscam inspirações em seu quotidiano, mas também em temas contemporâneos e distantes de suas realidades, tendo um papel muito importante contribuindo com a história da humanidade, seja qual for o tema , promovendo um movimento que transforma e reinventa o mundo.

O caminho que percorri para realizar a curadoria destas exposições foi como mergulhar em poesia e caminhar entre tradições e encantos de um Brasil tão grande
que às vezes perde-se de si mesmo. “ Olhares Poéticos” a exposição que aqui apresentamos Edna Alves convida cinco artistas, de mundos e olhares diferentes mas que apresentam obras com um dialogo poético, colorido e carregadas de
sentimentos que integram perfeitamente o mesmo espaço.
Respeitando a individualidade e a qualidade das obras está exposição “ Olhares Poéticos” mostra um pouco da produção dos artistas que reverenciam a vida através da arte e entendem o privilégio de serem artistas e poder colorir o mundo com carinho ,poesia, cores vibrantes mas, com responsabilidade e conscientes do seu papel para a humanidade. 

Rosângela Politano é Empreendedora, Produtora Cultural, Pesquisadora da Cultura Popular tradicional, Diretora do Projeto Cor-Ação , Artista Plástica e uma das coordenadoras da BINAIF ( Bienal Internacional de Arte Naif Totem Cor-Ação).

Edisséia Politano Natural de Itápolis (SP), moradora de Itapecerica de Serra ( SP) à 40 anos. Uma artista multifacetada, com inúmeras habilidades artísticas, cantora, compositora, modista, costureira, e artista plástica. Enquanto modista e costureira infeccionava desde roupas finas femininas, alfaiataria, fantasias e ornamentos para espetáculos.

Como cantora e compositora tem em seus temas preferidos, a musica sertaneja raiz e como artista plástica retrata o que a de mais simples em suas vivências como o vento que sopra nas árvores e balança a cortina. Foi depois dos 70 anos que Edi Politano, começou a dedicar-se as pinturas e participar de exposições, agradando os criticas já tem em seu currículo varias Exposições e uma Bienal Internacional.

Janete dos Santos Rodrigues Barbosa (Janete Rodrigues), natural de São Paulo capital, hoje reside na cidade de Embu Guaçu, São Paulo, formada pela Escola Panamericana de Artes em 1981 e com um currículo que passa por exposições no Museu de arte Moderna de São Paulo, vários salões, mostras e em importantes feiras de arte como na praça da Republica em São Paulo. Sempre dedicada e observadora Janete apresenta um trabalho delicado e expressivo que apresenta nossa terra, através de paisagens, religiosidades e cenas do quotidiano. 

A artista tem em suas obras não só uma fonte de renda, mas, uma maneira de colorir a vida e seu próprio mundo.

Lu Morgado nasceu em São Paulo em 1977 reside em Igaratá/SP. Formada em Gestão Comercial e há dez anos se dedica a Arte Naif. Sua obra possui características únicas, como as personagens de um olho só, o olho da alma. O coração que bate fora do peito para lembrar que a bondade existe e o contorno amarelo que para a artista, representa a aura energética que banha tudo e todos e os seus pontinhos pretos que marcam a necessidade da evolução física, espiritual e mental. Durante a pandemia criou o projeto “Um Papo Naif” e desde de abril/2020 apresenta direto de seu ateliê em sua casa em Igaratá/SP, uma live no facebook Naifs Brasileiros, levando conhecimento sobre o mundo das artes visuais em especial a Arte Naif, o nosso folclore, a arte popular brasileira, fomentando a inclusão e democratização digital.

Rosângela Politano, natural de São José do Rio Preto (1965), hoje reside em Socorro, morou muitos anos na famosa cidade de Embu das Artes todas e também no famoso Bairro da Vila Madalena em São Paulo.

A arte chegou de maneira natural, são quatro gerações de artistas na família. Suas obras buscam a poesia e convidam à reflexão, nelas vemos o Brasil, sua gente e sua cultura.

Rosângela também é produtora cultural, curadora e uma das idealizadoras e coordenadoras da BINAIF, (Bienal Internacionalde Arte Naif Totem Cor-Ação).

Sidney Nofal, Natural de Ponta Porã, (MS), atualmente reside em Tacuru (MS). Autodidata desde criança já expressava talento para o desenho e assim ele foi fazendo, um elogio aqui, um incentivo ali, as pessoas foram gostando, inspirado em temas que vão do folclore, história, ao quotidiano do povo simples. Hoje Sidney tem um currículo expressivo com exposições nacionais e internacionais e obras compondo vários espaços como galerias , museus e acervos particulares. Muito produtivo, sempre participando de exposições e recebendo prémios, o artista nos presenteia com pinceladas simples que resultam em um trabalho poético e colorido.

 

Envie uma mensagen

Ateliê Casa das artes

A Casa das Artes é um espaço acessível, único e charmoso sendo um importante e conhecido ponto turístico da cidade de Socorro.

×